Dívidas

Dívidas: Acabe com elas de vez em 5 passos!

Você sabia que mais de 60 MILHÕES de brasileiros não estão conseguindo pagar suas dívidas?

E isso ai não é achismo não, são dados do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), porque aqui a gente mata o boato e mostra a fonte!

E se você está com essa galera, esse artigo é para você.

Dentre todos os cursos que fiz, livros que li, e podcasts que ouvi, organizei uma sequência de ações que vão te ajudar a sair dessa bola de neve.

Mas primeiro, precisamos por os pingos nos is:

Diferença entre Dívida e Inadimplência!

Algumas pessoas já sabem a diferença, mas a maioria ainda se atrapalha um pouco com essas duas palavrinhas, então vamos lá, do dicionário:

Dívida:

“Substantivo feminino, o valor (em dinheiro) que se deve pagar a alguém.”

Ou seja, se você ainda tem que pagar os outros 10 boletos daquele celular baratinho que você comprou na promoção nas casas Ceará (Merchan só quando rolar patrocínio ;), você tem uma dívida!

“-Pô Felipe, mas eu to pagando tudo direitinho.”

Perfeito, mas não deixa de ser uma dívida, o boleto do celular, o financiamento do carro, aquele troço que você comprou na China dividido em várias vezes no cartão de crédito, tudo dívida.

Só deixa de ser dívida quando está pago, quitado, acabado, finalizado.

Inadimplência:

“Substantivo feminino, descumprimento de uma obrigação previamente acordada, especialmente relacionada com a falta de pagamento de uma dívida.”

Agora sim estamos falando do que você, provavelmente, achava que era dívida, a inadimplência!

Não conseguir pagar uma dívida que é o problema por aqui,

Você parcelou um monte de coisa em varias vezes de 20 reais e não imaginava que no final do mês isso ia dar 500 conto, não é mesmo?

Primeiro passo: Abra o jogo!

Isso é uma das coisas mais complicadas sobre educação financeira na nossa cultura.

As pessoas não falam de dinheiro!

Nem com seus próprios familiares, marido/esposa ou amigos de confiança.

Faz diferença uma conversa aberta sobre a sua situação financeira com pessoas próximas a você e que podem te mostrar pontos de vista diferentes.

Principalmente para famílias, é importante que todos saibam que haverão mudanças de comportamento e estilo de vida, mas que é para um bem maior para todos.

Passo dois: Mapeie suas dívidas!

Absolutamente todas as dívidas, das que você está conseguindo pagar de boa até as que estão na gaveta desde o ano passado.

Não negligencie nada!

Levante também a quantidade de juros atrelada a cada dívida, o tempo que podem pedir penhora do seu bem ou cortar seu serviço.

Agora organize-as por valor de parcela, valor total restante, juros corridos, por exemplo:

  • Parcela do Celular – R$119,90 – R$800,00 – 5% ao mês
  • Carro – R$387,70 – R$16.300,00 – 13,2% ao mês
  • Crediário – R$35,90 – R$200,00 – 1,5% ao mês
  • Empréstimo – R$420,00 – R$5200,00 – 9% ao mês
  • Luz – R$132,90 – 3% ao mês

Nota importante: inventei todas essas informações para exemplo!

Nesse exemplo fica claro o que você absolutamente não pode atrasar: o carro com f@d&n#o$ 13,2% ao mês!

Agora que você já conhece todas as suas dívidas, prossiga para o…

Passo III: Controle seus gastos ou eles te controlarão!

Se você está endividado ou inadimplente, já conversou com alguém sobre isso e levantou tudo que você precisa pagar, então é hora de por ordem na casa!

Você sabe quanto tem que pagar e você sabe quanto ganha, a conta ta fácil, diminui o primeiro do segundo.

Exemplo: Eu ganho por mês R$1500,00 – eu pago por mês R$1438,90 = me sobra R$61,10

Se o seu resultado for positivo, ta lindo!

Se o seu resultado for negativo, então você tem a missão de fazer essa conta bater!

Enxugue as contas o máximo que der, cancele serviços que não são necessários, corte o máximo de gastos possível.

Procure formas de aumentar a renda com bicos ou venda algumas coisas que não usa mais.

Faça sacrifícios no seu estilo de vida, agora não é hora de imagem, é hora de resolver um problema!

Lembre-se que isso é temporário.

E se você pensa que não dá, que não adianta fazer nada por causa disso e daquilo, da uma olhada no meu artigo sobre crenças limitantes, talvez te ajude.

4º Passo: Quais dívidas pagar primeiro?

Essa é uma pergunta que depende um pouco da situação de cada um.

Como regra geral, você deve quitar as dívidas com juros maiores primeiro!

Mas na maioria das vezes, os maiores juros acompanham as dívidas de maior valor e difíceis de quitar facilmente.

Então seguimos a orientação do gênio das finanças pessoais, o americano Dave Ramsey: Quite as dívidas menores primeiro!

Você se livra das dívidas menores e com o dinheiro que você usava para pagar essas contas, você paga as contas maiores!

Entendeu a jogada?

Então prosseguimos para o passo final!

Passo E: Negociando com os tubarões!

Agora que você já deu uma arrumada na bagunça, vamos rever o que você tem que fazer até aqui:

  1. Você já conversa com alguém sobre as dívidas.
  2. Já sabe quanto deve e detalhes das contas.
  3. Já controlou os gastos o melhor que pode
  4. E quitou as dívidas pequenas.

Então bora pras dívidas ardidas!

Se você tem um financiamento, empréstimo ou qualquer outra dívida grande atrasada, vá no seu credor negociar.

Na maioria das vezes, você consegue um novo parcelamento da dívida atrasada no valor próximo ao valor original (Passo 2).

Até ai, tudo ok.

Caso a renegociação envolva novas taxas, multas etc, anote a proposta mas não aceite ainda.

Pesquise outras alternativas de crédito consignado, penhores ou refinanciamentos e compare as taxas.

Exemplo: Você tem uma dívida de R$3.000,00

Seu credor te oferece uma renegociação com taxa de 12% ao mês.

E uma financeira te oferece um empréstimo dos R$3.000,00 com taxa de 10% ao mês.

Você pega o empréstimo com taxa menor e resolve a situação, pagando menos no processo.

É basicamente trocar uma dívida maior por uma dívida menor, sim, isso é possível!

Passo bônus: Caminhando e cantando e seguindo a canção!

Agora que você está bem encaminhado em direção à prosperidade sem dívidas, é importante se manter firme.

Elimine pensamentos como:

  • “Tem que fazer dívida pra conseguir alguma coisa.”
  • “Quitar dívidas para fazer novas.”
  • “Parcelado fica baratinho.”

Honre seus compromissos, quitando tudo que deve e não volte para as dívidas.

Crie um fundo de emergência, justamente para garantir os imprevistos.

Planeje seus gastos futuros e lembre-se que pagamento a vista tem desconto.

Com certeza você ficará menos estressado e terá uma vida mais feliz.

E se você já executa alguma estratégia ou vai executar essa para vencer as dívidas, deixa ai nos comentários!

Até a próxima e foco que você consegue!

Felipe Muniz

Felipe Muniz

Um nerd que teve a vida completamente transformada pelo livro Pai Rico, Pai Pobre e apresenta o poder desse conhecimento, de forma simplificada, para ajudar cada pessoa a despertar da matrix financeira.